logo-circuito-ubu.svg

[Conteúdo] Maoismo no maio de 1968

|

6 minutos de leitura

por Mathieu Dejean

No início de maio de 68, uma parte da juventude e da elite intelectual depositou na Revolução Cultural Chinesa suas esperanças de derrubar o capitalismo. O historiador François Hourmant nos faz mergulhar no universo mental desse multifacetado movimento de extrema esquerda francesa, explorando sua cegueira, suas contradições e sua herança.


Em 4 de março de 1972, 200.000 pessoas se dirigem para o Père-Lachaise. Dentre a multidão que caminha silenciosamente sete quilômetros até o cemitério, vemos Jean-Paul Sartre e Michel Foucault. Eles estão lá para mostrar sua solidariedade a Pierre Overney, um trabalhador maoísta de 24 anos morto a tiros pelo chefe do departamento de segurança da fábrica da Renault Billancourt, Antoine Tramoni. Jean-Pierre Le Dantec, um dos líderes da Esquerda Proletária (Gauche prolétarienne – GP), de cujo grupo o trabalhador era membro, relata o evento em Les Dangers du soleil: “Quando penetramos no grande triângulo submerso por uma multidão ardente, quase desmaiamos: apesar das inúmeras calúnias, o povo de Paris estava no encontro, esperando Pierrot como um filho assassinado. “

Esse funeral marcou simbolicamente o apogeu do movimento maoísta na França e o início de seu declínio. No ano seguinte, o GP – a organização mais visível, distinta por seus métodos e ações diretos espetaculares – se dissolve. Entre 1968 e 1972, cerca de 1000 “gepistas” foram presos, prova de um poderoso surto – embora minoritário – de febre “Mao”.

 

Entre as 200.000 pessoas presentes naquele dia, apenas uma minoria atuava nas organizações desse movimento esquerdista: “No auge do movimento, entre 1969 e 72, seu número não excederia na França 7000 militantes, todas as tendências somadas”, diz o historiador François Hourmant no livro Os anos de Mao na França – antes, durante e depois de maio de 68 (Ed Odile Jacob). Mas esses funerais populares testemunham a simpatia que ele inspira. “A sedução maoísta forneceu imagens e cenas que agora pertencem ao panteão do romance nacional”, escreve o especialista em história dos intelectuais, que tenta dar conta do universo mental desses ativistas que fundaram na Maoísmo e de suas esperanças de elevação hexagonal em seu livro.

Mesmo antes de maio de 1968, uma parte da juventude e dos intelectuais se apaixona pela “grande revolução cultural proletária” (GPRP, no jargão da época), lançada por Mao em 1966. Isso aparece como uma alternativa ao revisionismo soviético e ao socialismo tropical cubano, marcado pelo assassinato de Che em outubro de 1967. “Essa tripla conjunção – juventude, espontaneidade, anti-autoritarismo – contribuiu para a popularidade do movimento. Ofereceu um caminho alternativo às práticas revolucionárias anteriormente observadas no mundo “, afirma François Hourmant. Isso lembra que, na época, a cegueira dos formadores de opinião em relação ao totalitarismo chinês é total. O próprio Le Monde é seduzido pelos desenvolvimentos do GRCP, enquanto Malraux escreve um retrato brilhante de Mao em seus Antimémoires publicado em 1967.

Galvanizada pela leitura do Pequeno Livro Vermelho, que reúne 427 citações do Grande Timoneiro, nascem várias organizações que afirmam seu maoísmo: a União de Jovens Comunistas Marxistas-Leninistas (UJC (ml), que se torna em outubro 1968, a Esquerda Proletária), o Partido Comunista Marxista-Leninista da França (PCMLF, reconhecido por Pequim) ou os libertários maoístas de Vive la Révolution!. François Hourmant aponta para a heterogeneidade das “capelas” do maoísmo francês, divididas entre maoístas “dogmáticos” (PCMLF) e “mao spontex” (ou seja, espontaneistas, representados pelo GP). “O Pequeno Livro Vermelho, a jaqueta e o retrato de Mao foram os precipitados mais evocativos desse fenômeno de associação coletiva, onde a inventividade mais desenfreada, às vezes com sotaques libertários, esfregava os ombros com o formalismo mais stalinista, onde a criatividade foi baseado em uma frasologia ou uma estética petrificada “, analisa.

 

Baseado em histórias escritas com entusiasmo e, sobretudo, retrospectivamente pelos maoístas – todos arrependidos e não necessariamente os mais conhecidos, como Pierre Rigoulot, Philippe Sollers, Jean-Pierre Le Dantec, Rony Brauman ou Serge July – o autor mostra como essa esfera de influência se espalhou em muitos campos – artístico, político, intelectual. Vazia, é a identidade política dos maoístas que toma forma: sua retórica militarista, seu sectarismo, sua austeridade e sua práxis singular. Assim, quando Jean-Luc Godard, que se envolve com Jean-Pierre Gorin no grupo Dziga Vertov, aproveita essa “revolução na revolução” para realizar  A Chinesa (1967), ele recebe muitas críticas de seu próprio campo. Os Guardas Vermelhos da École Normale Supérieure da Rue d’Ulm, bastião da UJC (ml) (o grupo de Alain Badiou), o ataca: “A revolução não é um brinquedo de classe”. “A manipulação dos objetos de fetiche do culto maoísta aparece como sacrilégio”, observa o historiador. Não é à toa que Raymond Aron se refere ao maoísmo como uma “religião secular”.

Os soldados monge pró-chineses também estão na origem de uma forma de mudança autêntica: a “linha de estabelecimento”. Ao voltar da China em 1967, o filósofo Robert Linhart lançou o slogan: “Fogo no intelectual burguês”. A partir de então, os estudantes de Mao abandonaram seus estudos para se estabelecer nas fábricas, testar as condições do proletariado Lumpen, expiar sua herança burguesa e estabelecer contatos para a próxima insurreição. O filósofo se instala na Citroën, Porte de Choisy (daí seu livro, L’Etabli), como 2000 outros “estabelecidos”, principalmente estudantes. O resultado é um trabalhadorismo exacerbado, um anti-sindicalismo primário (principalmente dirigido contra a “revisão” da CGT) e, às vezes, um anti-intelectualismo caracterizado: “Foi a aniquilação da reflexão, do julgamento individual”, já que os estabelecidos falavam “em nome das massas”, descreve Rony Brauman. Em entrevista à revista Charles, o trotskista Alain Krivine relata as atitudes do maoístas em 68 : “Para nós, era um grupo de intelectuais. Quando a noite das barricadas começou em 10 de maio, eles não participaram: estavam esperando que os trabalhadores lutassem para ‘servir a si mesmos’.

Se eles marcaram a história da extrema esquerda francesa, isso se deve principalmente às ações do GP, que atualizaram a “propaganda pelo fato” dos anarquistas. O incêndio do banco Rothschild em 1969, a plasticização das instalações do jornal de direita Minute pelo NRP (Nova Resistência Popular, ala de combate do GP) em maio de 1971 ou o seqüestro de Robert Nogrette, chefe da equipe de administração da Renault, em 8 de março de 1972, são eles. “O GP sabia como jogar com o ressurgimento da mediatização, e não é por acaso que muitos de seus líderes acabaram se integrando ao sistema de mídia e ocupando posições centrais”, observa François Hourmant .

Muitos intelectuais ajudaram nessa tarefa, principalmente Jean-Paul Sartre, que defendia a proibida imprensa maoísta. “Os maos me rejuvenescem com suas exigências”, disse ele. O historiador conclui observando que “a China nutriu um maoísmo que pouco tinha a ver com a realidade chinesa e muito com as aspirações francesas”. No entanto, como o stalinismo, o maoísmo francês constitui “um precipitado dessa cegueira dos intelectuais que marcou o século do totalitarismo”.

Conteúdo relacionado ao livro Petrogrado, Xangai.

Tradução de Maria Chiaretti.

FONTE: https://www.lesinrocks.com/2018/03/09/livres/idees/comment-le-maoisme-seduit-une-partie-de-la-jeunesse-des-annees-68-en-france/

[wpmem_form login]


Postagens recentes


Veja outras postagens sobre este livro:

[display_search_form]

livro da próxima caixinha

ainda não definido

Faça parte do clube!

Assine o circuito hoje

Fique por dentro do debate contemporâneo

R$ 69,90

/mês

R$ 79,90

/mês

Você tem 0 leituras selecionadas